Core Assessoria em Marketing

FALTAM CONTEÚDOS INTERESSANTES QUE DESPERTEM O INTERESSE DOS CONSUMIDORES NO MARKETING DIGITAL.

Não é novidade para todos quanto à importância do marketing digital. Arriscaria dizer se há algo de inovador no mundo do marketing foi o surgimento da internet, que dividiu o mundo entre o marketing tradicional e o digital.  Não estou querendo dizer que um anula o outro, mas sim que um complementa o outro e, sem os dois, não há estratégia de marketing eficiente.

É bom esclarecer que marketing tradicional versus marketing digital são apenas canais.  O marketing tradicional busca audiência e o marketing digital a interação. Precisamos entender essas diferenças para estarmos preparados para a mudança, o que vale é analisar comportamento e não tecnologia.

TIPO DE MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING DIGITAL
COMO ERA E É COSTUMAVA SER ASSIM HOJE É MAIS OU MENOS ASSIM
DIRECIONAMENTO Marcas  >         Consumidores Consumidores   >         Marcas
 APROACH

 

– Consumidores acompanham a mídia

– Marcas precisam apenas enviar mensagens

– Grandes investimentos de mídia

– Marcas consideradas em cima de estórias

– Não muito mensuráveis

– Vamos esperar que eles entendam e comprem

– Consumidores usam a mídia

– Marcas têm que lidar com comportamento em tempo real

– Mídia paga se tornou menos importante

– Marcas constroem em cima de comportamento 100% mensurável

– Eles vão aprender a comprar por eles mesmos

Por outro lado, é preciso fazer justiça para aquilo que a tecnologia nos proporciona. Tudo  absolutamente tudo que fazemos no ambiente digital deixamos rastros e é esse rastro que nos ajuda a entender e agregar valor de conteúdo para nossos clientes. Um exemplo que gosto de comentar com meus alunos e clientes é o da Netfix. O CEO, Reed Hastigs, da Netflix uma vez, comentou: “Nós temos nossos dados, e sabemos qual audiência irá assistir essa serie. Não precisamos de um piloto”.  A convicção dessa frase se baseia na análise de seu banco de dados e tecnologia adequada, que utilizam na descodificação dessas informações de cada usuário para criar as séries mais assistidas no mundo, porque sabem exatamente, o que cada um de seus clientes assiste e que atores e estilo de serie preferem. Cabe ressaltar que hoje, a Netflix produz suas próprias series baseados nessas informações e com isto, seu sucesso extraordinário vem ameaçando a concorrência direta e indireta em todo o mundo.  Quem não se lembra do Silvio Santos recomendando espontaneamente as series do Netflix, que lhe rendeu uma assinatura grátis?

Veja abaixo as análises feitas e os insights estratégicos da Netflix:

1, Algumas das informações captadas, através da informação do gerenciamento de sua base de dados:

  • Qual a frequência de uso;
  • Quais são seus gêneros que tem preferência;
  • Por qual dispositivo consome o Netflix;
  • Quantas pessoas usam o mesmo serviço;
  • Quem são os atores que mais simpatiza;
  • Que amigo é mais influente para essa pessoa;

2, Insigth estratégicos com essa análise:

  • Criação de conteúdo baseado em comportamento;
  • Indicação por afinidade e influência;
  • Disponibilização em multiplataformas de conteúdo;
  • Mais usuários por conta (versão família).

A Netflix não apenas sabe o que consumidor quer, mas como sabe atende-lo um grande amigo postou no facebook: “Quando você fica feliz em falar com o atendimento de uma empresa? Quando você liga para a Central da Netflix, claro. Excelente equipe e atendimento! (Alexandre Moreno – jornalista e assessor de imprensa)”.

O Big Data (o termo que descreve o imenso volume de dados – estruturados e não estruturados – que impactam os negócios no dia a dia), para falar novamente da análise de dados e descodificação das informações, na construção de um banco de dados e não de um bando de dados, significa que o importante não é a quantidade de dados e sim, o que as empresas fazem com os dados que realmente importam. É isto que irá mudar nossas vidas, nosso trabalho e forma como pensamos as coisas.

É preciso criar comunicação que as pessoas queriam compartilhar. As pessoas independentes da faixa etária e classe social estão interessadas na informação que agregue valor e conteúdo relevante para seus interesses. E para saber gerar conteúdo interessante, precisamos apreender mais sobre essas pessoas, analisando as informações que elas deixam todos os dias a nossa disposição.

E lembre-se que o marketing digital veio para ficar, é preciso aprender a trabalhar com essa nova configuração. A Gartner fez a seguinte previsão: “Em 2020, serão 30 bilhões de aparelhos conectados, em sua maior parte, eletrônicos pessoais com celulares e PCs, sendo que a maior parte será de produtos”. Pensem nisto!

Silvana A Sganzerlla |www.coremkt.com.br

Baseado no material de @arthurcalefe